24.10.06

Impunidade

Hoje li no blog do Marcelo Coelho um post do qual peguei só um pedaço, mas que foi capaz de me fazer parar para pensar.

“Para quem teve sua formação política no tempo do regime militar, a profissão de prestígio, no campo do Direito, era unicamente a de advogado. Havia certa antipatia com quem “gostasse de prender gente”: promotores, juízes, delegados, estavam de alguma forma associados á famosa “repressão”, e naqueles tempos de pensamento ultraliberal, a própria idéia de punir alguém tinha algo de retrógrado, de arbitrário...”

Fiquei imaginando se essa é uma das inexplicáveis razões para que nós brasileiros sejamos tão tolerantes com a impunidade nesse país. Será?

3 comentários:

Alexandre Costa disse...

Esse é um pensamento generalizado PAT...infelizmente!

maray disse...

Não sei se não seria por uma filosofia "cristã" mal digerida: não fazer aos outros o que não queres que te façam... Afinal, alguém pode dizer neste país que já não furou um farol vermelho, que já não burlou ou pelo menos tentou burlar o fisco, que já não quis "levar vantagem" em alguma coisa? Parece que ser honesto aqui é ser otário. Vai daí...Pode ser esse o motivo da complacência, sei lá... Dá um desânimo, né?

Flávia disse...

Será?
Eu acho que o negócio é mais antigo ainda....
Vou pensar.
Beijos