23.7.06

Pura poesia

Para quem tem filhos ou gosta de assistir desenho aqui vai a minha sugestão: os filmes da Ghibli Studios, a Disney japonesa. O filme mais conhecido deles é a Viagem de Chihiro, que passou no Brasil e também levou oscar de melhor animação. Outro que passou por aqui foi O Castelo Animado. Existem ainda Kiki´s Delivey Service que é um encanto e mais alguns outros dignos de nota. Veja a lista e sinópises em http://www.madman.com.au/studioghibli/index.html.
Vale a pena conhecer, pois Hayao Miyazaki é respeitadíssimo pela qualidade da animação e histórias cheias de emoção, mensagens e conteúdo. Quase sempre seus personagens principais são do sexo feminino, bom para as nossas meninas que geralmente ficam com papeis secundários quando as estórias ocidentais tratam das aventura de um herói e bom para os meninos também que começam a olhar para as meninas com outros olhos. Os filmes são feitos com extremo cuidado e não maltratam a gente com trilha sonora barulhenta e ação constante. Há sempre o equilibrio perfeito com ação e momentos em que voce se sente mergulhado numa belíssima paisagem ao rítmo de uma suave brisa ou das ondas de um lago e o filme não tem pressa em te trazer de volta para a realidade.
A Disney recolhece o talento desse diretor e comprou os direitos de divulgação de 9 de seus filmes no ocidente, entre eles a Viagem de Chihiro que já assisti umas 5 vezes, e o Castelo Animado que já citei. Acho que ambos já estão disponíveis em DVD, os demais é preciso encomendar em sites distro de animes.

9.7.06

Reflexões inevitáveis


É hora de renovar tudo a meu respeito. Depois de mais de 15 anos trabalhando com jornalismo, finalmente começo a viver a realidade de um sonho que trago secretamente comigo desde muito pequena. Dessa longa trajetória só lamento o tempo perdido e me pergunto por que tudo é sempre tão difícil para nós brasileiros. Com certeza não é por falta de garra. Acho que seja por falta de informação e uma grande dose de descrédito pessoal. Humildade? Não sei se é essa palavra. Ela só serve se atribuirmos a ela um significado que não vem de dentro, altruísta e elevado, mas uma imposição que vem de cima para baixo. Somos covardemente humildes, isso sim.
Hoje, sigo em frente, trabalhando na segunda coleção de livros, já encomendada pela editora. Não paro mais, a não ser que queira, e eu não quero. Seguindo a trilha dos acontecimentos vejo que as coisas se realizaram quase que por mágica. Trabalho árduo dos anjos, que há cinco anos atrás começaram a tecer a rede de relações que resultou nisso tudo. - Fui trabalhar com a comunicação de um hospital, onde conheci um médico que, anos mais tarde, iria estudar direito e ter como colega de classe a dona da editora. Ele, o médico, resolveu, então, escrever um livro infantil e convidou o Richard para ilustrá-lo. - Vejam só... Quando alguém poderia imaginar que os anjos já estavam tecendo a realização dos nossos sonhos, lá trás, quando eu fui trabalhar, meio sem saber por que, num hospital?
Mas, então, saco, que para que serviram tantas outras investidas infrutíferas e cansativas, nas quais me empenhei tanto? Projetos de comunicação infantil, contato com editoras de todo Brasil... Para consolidar meu espírito e torná-lo capaz de aproveitar a oportunidade quando ela aparecesse? Para reconhecer que ser escritora de livros infantis é uma profissão, como qualquer outra? Ainda não sei ao certo.
De qualquer forma... Apesar de cansada dessa longa jornada... Fico feliz de estar aqui. Ainda mais sabendo agora que por trás de tudo o que faço eu tenho um time e tanto lutando junto.